News

Protestos em Gaza nos EUA para prejudicar a tentativa de reeleição de Joe Biden? Seus assessores dizem…

Protestos em Gaza nos campi dos EUA para prejudicar a tentativa de reeleição de Joe Biden?  Seus assessores dizem...

Protestos em universidades dos EUA por causa da guerra de Israel em Gaza atrapalharam os eventos de Biden

Washington:

Vários importantes assessores da Casa Branca dizem estar confiantes nos protestos em toda a Campi universitários dos EUA contra a ofensiva de Israel em Gaza não se traduzirá num número significativamente menor de votos para Joe Biden nas eleições de Novembro, apesar das sondagens mostrarem que muitos democratas estão profundamente descontentes com a política do presidente dos EUA em relação à guerra.

O otimismo da Casa Branca sobre a questão, que é compartilhado por muitos na campanha de Biden, vai contra as terríveis advertências de alguns estrategistas democratas e organizadores de jovens que alertam que um julgamento errado da situação pode custar caro a Biden em uma disputa acirrada com o rival republicano. Donald Trump.

Vários assessores disseram à Reuters que estão aconselhando Biden a permanecer acima da briga, em vez de se envolver diretamente com os grupos relativamente pequenos de manifestantes nos campi universitários, argumentando que seus números são insignificantes demais para prejudicar a campanha de reeleição do presidente.

Confrontados com a escolha entre Biden e Trump em Novembro, muitas autoridades continuam confiantes de que mesmo os democratas que se opõem à política dos EUA escolherão Biden. A Reuters entrevistou quase uma dúzia de altos funcionários da Casa Branca nos últimos dias, mas apenas dois expressaram preocupação com o impacto dos protestos e com a forma como Biden lidou com a questão.

A questão volta aos holofotes no domingo, quando Biden faz o discurso de formatura no Morehouse College, apesar de algumas objeções de alunos e professores, e de um aviso do presidente da faculdade de que a cerimônia será interrompida se houver protestos.

A maioria das autoridades com quem a Reuters conversou disseram acreditar que os custos de moradia e a inflação eram as questões mais lembradas pelos eleitores jovens, e não a guerra em Gaza, apontando para uma pesquisa recente de Harvard que classifica Israel/Palestina em 15º lugar em uma lista de questões, depois de impostos, armas violência e empregos. Vários assessores referem-se aos manifestantes como “ativistas” e não como estudantes.

Questionado sobre o assunto, o vice-secretário de imprensa da Casa Branca, Andrew Bates, disse que Biden entende que este é um momento doloroso para muitas comunidades e está ouvindo. Ele disse que muitos civis morreram no conflito “doloroso” e que é preciso fazer mais para evitar a perda de vidas inocentes, acrescentou Bates.

Biden e Trump estão quase empatados nas pesquisas nacionais, e Trump tem vantagem nos estados decisivos que decidirão a eleição, mostram várias pesquisas recentes. Em questões económicas como a inflação, Trump tem uma pontuação mais elevada junto dos eleitores em geral do que Biden.

Uma nova pesquisa Reuters/Ipsos revelou que os democratas estão profundamente divididos sobre a forma como Biden lidou com a guerra em Gaza e o Protestos no campus dos EUA contra ela, com 44% dos democratas registrados desaprovando a forma como Biden lidou com a crise e 51% da forma como lidou com os protestos.

Os eleitores jovens ainda favorecem Biden, mas o apoio caiu significativamente desde 2020, mostram as pesquisas. Uma pesquisa Reuters/Ipsos de março mostrou que os norte-americanos entre 18 e 29 anos favorecem Biden em vez de Trump por apenas 3 pontos percentuais – 29% a 26% –, com o restante favorecendo outro candidato ou sem saber se alguém conseguiria seu voto.

Dois funcionários da Casa Branca com quem a Reuters conversou enfatizaram que o apoio de Biden entre os eleitores jovens não está onde estava em 2020 e disseram temer que o governo não esteja levando a queda suficientemente a sério.

Com mais de 35 mil palestinos mortos em Gaza desde o início da guerra em Outubro, o apoio dos EUA ao governo de Israel poderá pesar fortemente nas eleições presidenciais de Novembro, disseram.

“Há quase um nível de desafio quando se trata de alguns dos conselheiros mais próximos do presidente nesta questão”, disse um alto funcionário da Casa Branca com conhecimento direto do assunto, que não quis ser identificado. “Eles acham que a melhor abordagem é simplesmente ficar longe e deixar passar.”

BIDEN FALA COM CUIDADO

Os protestos contra a guerra de Israel em Gaza eclodiram em mais de 60 faculdades e universidades este ano, perturbaram os eventos de Biden em todo o país, pressionaram os democratas nos principais estados do campo de batalha a votarem “descomprometidos” e dividiram o Partido Democrata.

Biden, que é conhecido por dizer o que pensa, mesmo quando não é politicamente benéfico, tem sido cauteloso na questão dos protestos em Gaza. Ele falou no início de maio sobre a importância de seguir a lei, ao mesmo tempo que defendeu a liberdade de expressão e mais tarde abordou a ameaça do anti-semitismo nos campi universitários.

Em ambas as vezes, ele evitou principalmente a questão que desencadeou os protestos – como os jovens americanos se sentem em relação ao seu apoio a Israel. Mas ele também disse sem rodeios que os protestos não mudarão a sua política no Médio Oriente.

Os grupos que organizam os protestos dizem que a recente suspensão do fornecimento de algumas armas a Israel foi demasiado tarde e estão a planear novas manifestações, embora as férias de verão possam acalmar a ação nos campi.

Michele Weindling, diretora política do grupo de jovens focado no clima, Movimento Sunrise, disse que “os jovens estão incrivelmente desiludidos, estão zangados com a forma como o presidente tratou este conflito”.

“Um grande risco neste momento é que os jovens eleitores fiquem completamente fora do sistema eleitoral em novembro, ou votem deliberadamente contra Biden por raiva”, disse Weindling.

Isso pode custar caro a Biden, dado que 61% de mais da metade dos americanos com idades entre 18 e 29 anos que votaram nas eleições gerais de 2020 votaram nos democratas, descobriu um grupo de pesquisa da Universidade Tufts. A participação dos jovens aumentou 11 pontos em relação a 2016.

GAZA NÃO É UMA QUESTÃO PRINCIPAL

Os republicanos desaprovam esmagadoramente os protestos e a forma como Biden lidou com a guerra, mostra uma pesquisa Reuters/Ipsos publicada esta semana. Alguns republicanos pediram que ele enviasse tropas da Guarda Nacional aos campi.

Mas até um dia antes de Biden fazer o seu primeiro discurso sobre os protestos, em 2 de maio, ele continuava inseguro se precisava abordar a questão, disseram duas autoridades. Biden pediu à sua equipe que montasse “algo rudimentar” para que pudesse editá-lo e alterá-lo, o que ele fez naquela noite, disse um dos funcionários.

Ele só tomou a decisão final de falar pela manhã, depois que a violência eclodiu no campus da UCLA, acrescentou o funcionário.

A pesquisa de jovens de Harvard, que mostra que Israel/Gaza tem poucas preocupações com a juventude, está sendo divulgada em reuniões internas na campanha e na Casa Branca e está de acordo com os dados privados que a Casa Branca teve, disse a primeira autoridade.

O presidente não fala sobre todos os assuntos do noticiário, de propósito, disse outro funcionário da Casa Branca. Isso “nem sempre acontece, não importa que tipo de notícia seja, seja a notícia do dia, da semana ou do mês”, disse ele.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button