News

EUA propõem lei histórica para reclassificar a maconha como “droga de baixo risco”

EUA propõem lei histórica para reclassificar a maconha como ‘droga de baixo risco’

Em 2022, Biden se tornou o primeiro presidente a iniciar uma revisão federal da política sobre a maconha.

Washington, Estados Unidos:

A administração do presidente dos EUA, Joe Biden, propôs formalmente na quinta-feira a reclassificação da maconha como uma droga menos perigosa, uma mudança histórica que colocaria a política federal mais alinhada com a opinião pública.

“Ninguém deveria ser preso apenas por usar ou possuir maconha. Ponto final”, disse Biden em um comunicado em vídeo.

“Muitas vidas foram destruídas por causa de uma abordagem fracassada em relação à maconha e estou comprometido em corrigir esses erros”.

A maconha é classificada desde 1970 como uma droga chamada de Classe I sob a Lei de Substâncias Controladas (CSA) – o mesmo nível que a heroína, o ecstasy e o LSD. Essa classificação significa que é considerado como não tendo uso médico aceito e com alto potencial de abuso.

Mas seria rebaixado para um medicamento de Classe III ao abrigo da proposta, colocando-o ao lado de medicamentos como a cetamina e analgésicos contendo codeína, considerados como tendo uma probabilidade moderada a baixa de dependência.

Isso não tornaria isso legal, mas poderia levar a menos prisões em nível federal.

A proposta de reclassificação da cannabis foi divulgada pela administração Biden no final de abril e o Departamento de Justiça lançou oficialmente o processo na quinta-feira.

A maconha continuará sendo uma substância controlada até que o processo – que inclui um período de comentários públicos e uma possível audiência perante um juiz – seja concluído.

Em 2022, Biden se tornou o primeiro presidente a iniciar uma revisão federal da política sobre a maconha.

Passado racista

A questão é vista como um potencial vencedor de votos para Biden, enquanto ele enfrenta o republicano Donald Trump em uma dura revanche eleitoral em novembro, especialmente entre os mais jovens que o atual democrata está lutando para cortejar.

Uma pesquisa do Pew Research Center descobriu que 88% dos americanos acreditam que a maconha deveria ser legal para uso medicinal ou recreativo. Apenas 11 por cento disseram que não deveria ser legal.

A cannabis foi proibida pela primeira vez a nível federal em 1937, uma decisão que os críticos dizem ter sido tomada em grande parte com base em ideias racistas, uma vez que a droga era vista como estando intimamente ligada à música jazz, à comunidade negra e aos imigrantes mexicanos.

A década de 1970 trouxe a “Guerra às Drogas”, que também atingiu desproporcionalmente as minorias – antes que o movimento pela maconha medicinal se enraizasse na década de 1990. Em 2012, os estados dos EUA começaram a legalizar a cannabis recreativa para adultos.

A cannabis é hoje um negócio multibilionário nos Estados Unidos, com mais de metade de todos os estados legalizando o uso recreativo e medicinal de cannabis, incluindo Califórnia e Nova Iorque.

Mas os números mostram que as minorias raciais, em particular os negros americanos, estão sobrerrepresentadas nas detenções relacionadas com a marijuana.

“Esta decisão é monumental”, disse a organização de direitos civis NAACP no X, antigo Twitter.

“Muitos negros americanos foram vítimas de um sistema projetado para a sua morte.”

Impulsionar a indústria jurídica

Uma vez que a droga continua a ser uma substância controlada a nível nacional, todos os envolvidos ainda estão tecnicamente a infringir a lei do país.

A classificação dificulta o acesso das empresas da indústria da maconha aos serviços bancários, interrompe o financiamento federal para pesquisas sobre a maconha medicinal e impede o comércio interestadual, bem como a regulamentação federal sobre melhores práticas e protocolos para a maconha.

Uma reclassificação também permitiria às empresas deduzir as suas despesas operacionais dos seus impostos, o que é atualmente proibido.

A decisão de quinta-feira “irá desbloquear pesquisas importantes sobre a eficácia médica da cannabis e trazer mudanças reais para os operadores legais”, disse Matt Darin, CEO da Curaleaf, em comunicado à AFP.

Em Wall Street, as ações da indústria subiram, com a Curaleaf ganhando 1,07% e a Verano Holdings 0,69%.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button