Life Style

Amy Douglas x Saison em “Dare Myself”

Com uma intensidade inabalável, Amy Douglas emerge como o alquimista musical da cena da dança. Sua voz abrange cinco oitavas sem esforço e ela comanda a pista de dança com uma presença de palco cativante e uma arrogância infundida no rock. Além de suas aclamadas composições, Amy também é uma DJ talentosa, transformando seu trabalho solo em “concertos de pista de dança” de alta energia que mantêm o público em pé.

A paleta sonora de Amy Douglas é uma mistura cativante de disco, pós-disco, salsa, dub, punk, pós-punk e hip-hop – um reflexo da identidade cultural diversificada que define a vibrante paisagem musical de Nova Iorque.

Em sua mais recente colaboração com a aclamada dupla londrina Saison, Amy Douglas continua a trilhar seu caminho único, combinando sua energia sem remorso com um som que desafia o gênero e repleto de atitude rock. A ardente faixa nu-disco, “Ouse-me”, marca uma partida emocionante para Saison, conhecida por suas renomadas produções de deep house.

Abraçando o mundo vibrante do nu-disco, Saison traz sua sofisticação rítmica característica, mesclando perfeitamente o disco clássico com uma energia contemporânea de alta octanagem. Para Amy, a faixa serve como uma homenagem sincera a ícones das pistas de dança como Evelyn Champagne King e Kashif, enquanto seus vocais poderosos e letras edificantes se elevam sobre a produção habilmente elaborada de Saison.

Como a colaboração com Saison em “Dare Myself” se encaixa na trajetória geral da sua carreira e na sua evolução como artista?

“Dare Myself” é a primeira vez que faço uma música; tanto como vocalista quanto como compositor, isso me leva a um lugar que sempre quis ir, e um lugar que nunca pensaria em ir sozinho ao mesmo tempo! O primeiro, “um lugar que sempre quis ir”, é onde eu poderia prestar uma espécie de homenagem à incrível parceria entre Evelyn “Champagne” King e Kashif e seu incrível casamento de electro-boogie, hip hop/sintetizador R+B produção orientada e música pop. Como tal, você tem sucessos MONSTER que ainda vivem nas pistas de dança até hoje. Levou o pós-disco para um lugar que eu adoraria que vivesse permanentemente, porque essas músicas soam atemporais e frescas continuamente. Se eles caíssem como novas juntas hoje? Eles seriam QUENTES. Então, eu realmente queria tentar explorar esse espaço mental e, claro, Evelyn, a deusa mágica que ela é? A maioria de seus sucessos são… sobre AMOR. Mais importante ainda, essas músicas transbordavam a emoção de se apaixonar, então eu realmente queria encontrar uma maneira de explorar esse tipo de sentimento… otimista, “Sou permanentemente jovem e apaixonado pela primeira vez na minha vida”.

O segundo? “um lugar que nunca pensei que iria” é que “Dare Myself” É uma CANÇÃO DE AMOR! Eu sou… um cínico ranzinza! Eu NUNCA escrevo canções de amor, pelo menos não de FELIZ!!! LOL! Então, eu tive que me forçar a sair da minha ninhada de “nunca deixe eles verem você chorar ou ser muito feliz”!

É fantástico que o futuro disco tenha chegado quando eles o fizeram, já que eu tinha essa música por aí há cerca de 3 anos, ela foi escrita para um filme que nunca foi feito, e Saison, estavam procurando por algo EXATAMENTE assim. Melhor ainda é que a primeira vez que fui exposto à dupla, eu estava passando para outro DJ uma noite, quando estava tocando o set inicial no Jupiter Disco, e o DJ para quem passei, colocou-os como faixa de abertura, e isso me fez parar e perguntei ao DJ “quem é esse???” A fortuna sorriu!

Você diria que essa música desafiou você a ultrapassar seus limites criativos e “ousar” a si mesmo como compositor e intérprete?

Absolutamente! Como mencionei? Se eu tiver que escrever material para outra pessoa? Eu posso meio que “escrevê-los no filme, se você quiser”, todo mundo tem que fazer isso e, como mencionado acima, isso deveria ser… como uma “com-rom indie!” LOL! Então, inicialmente, ao escrevê-lo? Eu não era… “eu” naquele momento. Quando não era para ver a tela? Eu segurei isso, pensando “bem, talvez alguém queira este” No final das contas? Cabia a mim colocá-lo em prática. Não vou mentir, nas primeiras vezes que abaixei o vocal eu… dei uma risadinha. Não, eu desabei. Posso até ter passado por momentos cantando “I Feel Pretty” de West Side Story para me fazer rir ainda mais. Eu simplesmente nunca escrevo músicas para mim mesmo, onde sou “essa pessoa”. Minhas músicas são… muito mais sombrias.

Como a “Rainha do Nu Disco”, como você equilibra suas raízes do rock and roll com as influências da dance music em suas composições e performances?

Você sabe? Eu NÃO tenho ideia de quando esse título foi… legado para mim… e… é como… histérico para mim, e é definitivamente aquela garota do rock olhando para esse título que me faz rir tanto. Minhas aspirações NUNCA foram ser uma “Rainha do Nu Disco” e a única Rainha que eu aspirava ser remotamente era Freddie Mercury!!!! Dito isto? Primeiro sou um compositor, então deixo ISSO liderar. Eu sei mais sobre dance music e cultura agora do que há cerca de uma década, quando passei de vocalista para isso? SIM. Permito que algo além de uma boa construção musical conduza meu barco? Não. Eu nunca farei isso. As músicas superam qualquer arte, elas são a única coisa. Achei que, contanto que me permitisse continuar sendo um contador de histórias, mesmo que contasse minhas próprias experiências enquanto manobrava (correndo o risco de soar como Ariel) esse “mundo totalmente novo?” O mesmo espaço que me permitiu escrever hinos destinados à Wembley Arena ainda funcionaria perfeitamente aqui, e sejamos honestos. Ambos exigem um filho da puta extravagante e presunçoso para fazer isso. O fato de eu ter sido chamada de Rainha de tudo é humilhante, mesmo que minha missão sempre tenha sido ser a Assassina que ficaria feliz em pegar a CABEÇA de uma Rainha ou de um Rei.

Você mencionou ser influenciado por Evelyn Champagne King x Kashif – o que há no som e estilo deles que você acha particularmente atraente, e como você pretende canalizar isso nesta nova faixa?

Essa parceria levou a dance music ao lugar mais badalado, permanentemente futurista e ao mesmo tempo atemporal onde ela realmente pode ir, ao mesmo tempo em que vive confortavelmente no rádio também. ESTE SEMPRE foi o objetivo para mim. Sucessos que se encaixam na sua vida e que fazem você querer trazer aquela bunda. Eu também adoro que Kashif tenha trazido “o novo som”, um ângulo de punk funk e hip hop influenciado por sintetizadores para a música pop R+B, para começar, e com Evelyn, acho que eles fizeram hinos que são sempre uma sensação de “primeira vez”. Você está apaixonado pela primeira vez, foi àquela boate pela primeira vez, dançou pela primeira vez, aquela alegria de flutuar no ar quando você está apaixonado. Eterno. Acabei de acessar todos os meus registros da parceria deles, TBH, o que… eu estaria mentindo se essas músicas, mais notavelmente “Love Come Down” e “I'm In Love” não estivessem gravadas em meu subconsciente agora!!! !!! Eu… apenas… me coloquei em uma máquina do tempo e fui em frente!

Como alguém vindo de uma formação de hard rock, como tem sido a jornada para você se estabelecer como uma voz na cena dance e da música eletrônica? Quais foram alguns dos desafios e recompensas ao longo do caminho?

Tem sido muito desafiador, especialmente em um contexto ao vivo. Tenho esperança de que agora que sou DJ isso se torne uma situação melhor para mim. Esta é uma cena que recompensa o DJ acima de todas as coisas, e eu absolutamente tenho lutado com esse espaço livre, não apenas como vocalista e escritor, mas como um artista que muitas vezes se sente relegado a “onde essas coisas PODEM acontecer”. Eu não adoro ser o PA ao vivo de alguém que aparece durante uma festa à 1h da manhã, e embora eu ache que aprender a ser DJ tem sido INCRIVELMENTE gratificante para mim, e eu adoro isso? Eu não adoro ter que aprender a fazer isso, ou nunca seria capaz de finalmente lançar o que será minha visão solo definitiva, sendo esta uma COMBINAÇÃO dos melhores elementos do rock e da dança, e usar aquele equipamento de DJ para ser “a banda”. É difícil dizer o que teria acontecido durante o período de HARD FEELINGS, se eu soubesse como, mas havia tantas outras variáveis ​​que impediram que isso decolasse como deveria, então eu engoli e aprendi, se SOMENTE para apresentar uma visão melhor, uma visão solo para os fãs ao redor do mundo que ainda perguntam quando eu vou. Sou grato por tudo que aprendi. Estou grato, por exemplo, que me levou a escrever “Something More” para Roisin Murphy. Ainda estou muito orgulhoso dessa música e adoro o quanto ela tocou vidas. Sou grato pelas etapas que passei, mas não é o suficiente para mim. Estou acostumado a ficar no palco às vezes por mais de 3 horas, balançando no microfone, gritando e suando! PRECISO disso na minha vida para me sentir inteira.

Com o sucesso de suas colaborações anteriores, como você aborda o processo criativo ao trabalhar com outros artistas e produtores?

Cada situação é diferente. Tento ser um recipiente aberto e fluido que está lá para ajudar no que for necessário. Eu ouço onde posso ser mais útil e, caso contrário, saio do caminho! LOL!!!

Olhando para o futuro, quais são seus objetivos e aspirações para a próxima fase de sua carreira? Para onde você gostaria de levar seu som e arte a partir daqui?

Só. Chega de merda modular de vocalista por um minuto, e a menos que eu esteja realmente inspirado? Nenhum recurso com o mesmo headspace. Se for adequado? Se isso faz minha espinha arrepiar? Sempre há espaço na minha agenda, mas agora estou focado em SOLO, e vou, por bem ou por mal, mostrar ao mundo o que eu realmente quero fazer, o que mostrará aquele animal do rock and roll, aquele gato de rua , aquela glória de sacanagem genuinamente maravilhosamente desprezível, se você preferir, casada com a rainha da dança que você conheceu. Eu quero fazer “Bad Girls” de 202 com “Get Lucky”, “Eliminator” e “Dynasty”. No entanto, quero incorporar sons modernos e frescos nisso, adoro Club (ALL CLUB, não vou participar dessa coisa boba de Baltimore, Vs. Jersey Vs. Philly!), adoro Juke, adoro a influência do Hip Hop na dança, então eu quero algo que seja forte e fresco, mas que mantenha minhas raízes e quero sair mais mostrando às pessoas como isso é.

E a esse respeito: o que vem a seguir para você? Algum projeto ou lançamento futuro para nos provocar?

Estive em estúdio trabalhando com Zillas em Acid, Hard Ton e um monte de outras coisas, além do material solo mencionado acima. ESTE é o visual agora. Fique atento.

Fotos: Rico Fosco

CONECTE-SE COM Amy Douglas:

FACEBOOK | INSTAGRAM | X | TIK TOK

CONECTE-SE COM Saison:

FACEBOOK | INSTAGRAM | X | SOUNDCLOUD



Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button