News

'Velho amigo' Putin chega à China para visita de Estado e cúpula com Xi Jinping

O presidente russo, Vladimir Putin, chegou à China para uma visita de Estado de dois dias, enquanto os dois países procuram aprofundar ainda mais uma relação que se tornou mais estreita desde que Moscovo invadiu a Ucrânia, há mais de dois anos.

A visita ocorre dias depois de a Rússia ter lançado uma nova ofensiva na região nordeste de Kharkiv, na Ucrânia, e enquanto afirma avanços na longa linha de frente de 1.000 km (600 milhas), onde as forças de Kiev foram prejudicadas pelo atraso nas entregas de armas e munições dos Estados Unidos. .

Putin e o presidente chinês Xi Jinping declararam uma parceria “sem limites” entre a Rússia e a China dias antes de Putin enviar as suas tropas para a Ucrânia em fevereiro de 2022. Em março de 2023, quando Xi visitou Moscovo, ele descreveu uma “nova era” na relação entre os países. enquanto em Outubro, quando Putin esteve pela última vez em Pequim, Xi falou da “profunda amizade” entre os dois líderes que se encontraram 42 vezes na década anterior.

A agência de notícias estatal chinesa Xinhua confirmou a chegada de Putin para o que a mídia chinesa descreveu como uma visita de Estado de um “velho amigo”.

Antes da viagem, Putin, de 71 anos, disse que a sua escolha da China como o seu primeiro destino estrangeiro desde que tomou posse como presidente para um quinto mandato sublinhou o “nível sem precedentes da parceria estratégica” entre os dois países, bem como a sua estreita amizade com Xi, que tem 70 anos.

“Tentaremos estabelecer uma cooperação mais estreita no domínio da indústria e alta tecnologia, espaço e energia nuclear pacífica, inteligência artificial, fontes de energia renováveis ​​e outros setores inovadores”, disse Putin à agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Os dois líderes participarão numa noite de gala que celebrará os 75 anos desde que a União Soviética reconheceu a República Popular da China, que foi declarada por Mao Zedong após a vitória dos comunistas na guerra civil da China em 1949.

Putin também visitará Harbin, no nordeste da China, uma cidade com fortes laços com a Rússia.

Na sua entrevista à Xinhua, Putin também pareceu dar o seu apoio a um plano de paz de 12 pontos para a Ucrânia que Pequim divulgou com uma recepção morna no primeiro aniversário da invasão em grande escala da Rússia em Fevereiro de 2023.

Ele disse que as propostas poderiam fornecer a base para discussões e que Moscou estava “aberta ao diálogo sobre a Ucrânia”. Ele reiterou a posição russa de longa data de que “as negociações devem levar em conta os interesses de todos os países envolvidos no conflito, incluindo o nosso”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, disse que qualquer negociação deve incluir a restauração da integridade territorial da Ucrânia, a retirada das tropas russas de todo o território ucraniano, a libertação de todos os prisioneiros, um tribunal para os responsáveis ​​pela agressão e garantias de segurança para a Ucrânia.

A Suíça está a convocar uma cimeira de paz para a Ucrânia, centrada no quadro de Kiev, em Junho próximo. Pelo menos 50 delegações já concordaram em participar, mas a Rússia não foi convidada.

A China afirma ser neutra no conflito, mas não condenou Moscovo pela invasão de um país soberano.

Rússia 'útil' para a China

O Kremlin disse num comunicado que durante as suas conversações esta semana, Putin e Xi Jinping iriam “ter uma discussão detalhada sobre toda a gama de questões relacionadas com a parceria abrangente e a cooperação estratégica” e definir “novas direções para um maior desenvolvimento da cooperação entre a Rússia”. e China.”

Os dois países deixaram claro que querem refazer a ordem internacional de acordo com as suas próprias visões de como o mundo deveria ser.

Falando na terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Sergey Lavrov, afirmou que Moscovo e Pequim desempenharam um “papel importante de equilíbrio nos assuntos globais” e que a visita de Putin iria “fortalecer o nosso trabalho conjunto”.

Ambos os países são membros com poder de veto no Conselho de Segurança das Nações Unidas, ao lado dos EUA, Reino Unido e França.

“Não devemos subestimar a 'utilidade' da Rússia como amiga sem limites da China e de Xi Jinping”, disse Sari Arho Havren, membro associado do think tank Royal United Services Institute (RUSI), à Al Jazeera por e-mail. “A Rússia é um parceiro valioso para deslocar os EUA e mudar a ordem global para uma ordem favorável tanto para a China como para a Rússia. A Rússia também vê Taiwan como parte integrante da China, e já vimos especulações sobre o cenário de guerra no Indo-Pacífico e se a Rússia iria intensificar-se para ajudar e juntar-se à China em possíveis esforços de guerra”.

Moscovo tem forjado laços cada vez mais estreitos com Pequim, desviando a maior parte das suas exportações de energia para a China e importando componentes de alta tecnologia para as suas indústrias militares de empresas chinesas no meio de sanções ocidentais.

Os dois países também aprofundaram os laços militares, realizando jogos de guerra conjuntos sobre o Mar do Japão e o Mar da China Oriental, e organizando treino para forças terrestres nos territórios um do outro.

A China intensificou a atividade militar em torno de Taiwan, enquanto a ilha se prepara para a posse, em 20 de maio, de William Lai Ching-te, que foi eleito presidente nas eleições de janeiro.

A China reivindica o território como seu e não descartou o uso da força para atingir o seu objetivo.

Com reportagem de Erin Hale em Taipei

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button