Science

Pesca para comer: Onze por cento dos peixes de água doce consumidos em todo o mundo na pesca recreativa

  (Imagem: Pixabay CC0)

A pesca com vara e molinete é muito mais do que uma simples atividade de lazer: em muitas regiões do mundo, ela dá uma contribuição importante para a própria alimentação com peixes. Isto foi demonstrado por uma equipa de investigação internacional, incluindo Robert Arlinghaus, Professor de Gestão Integrativa das Pescas no Instituto Leibniz de Ecologia de Água Doce (IGB) e na Humboldt-Universität zu Berlin. No estudo publicado na Nature Food, a equipa de investigação estima que a pesca recreativa em lagos e rios é responsável por mais de onze por cento das capturas reportadas anualmente na pesca interior em todo o mundo. Devido às alterações climáticas e a outros desenvolvimentos negativos no domínio da água, o rendimento da pesca de importantes espécies de peixes de água doce, como a truta e o salmão, está a diminuir em muitas regiões, o que tem um impacto negativo no abastecimento alimentar das águas interiores.

“Avaliamos a importância nutricional e económica do consumo de peixe proveniente da pesca recreativa em 81 países e refutamos a suposição comum de que a pesca recreativa desempenha apenas um papel menor na nutrição da população em todo o mundo. suficiência em proteínas e micronutrientes”, diz Robert Arlinghaus da Humboldt-Universität zu Berlin e do Instituto Leibniz de Ecologia de Água Doce e Pesca Interior (IGB), co-autor do estudo.

Onze por cento dos peixes de água doce do mundo são capturados por pescadores

Cerca de 280 milhões de pescadores recreativos retiram mais de 1,3 milhões de toneladas de peixes de águas interiores todos os anos. Isto significa que a pesca recreativa contribui significativamente para a captura total da pesca interior em todo o mundo – para ser mais preciso, 11,3% dos 11,5 milhões de toneladas de peixes de água doce oficialmente declarados são capturados na pesca recreativa. No entanto, estes números não aparecem nas estatísticas globais da pesca, uma vez que a pesca recreativa não é aí registada. No entanto, a pesca recreativa é hoje a forma dominante de pesca interior em todos os países industrializados. Só na Alemanha, os pescadores pescam cerca de dez vezes mais peixe em águas interiores do que os pescadores profissionais. Existem mais de três milhões de pessoas na Alemanha que pescam nas horas vagas. Na UE, uma em cada dez pessoas pesca.

Alemanha consome muito peixe pescado em casa

Em termos de países, o Canadá, a Polónia e a Argentina são os que consomem mais peixe por pescador em águas interiores. A Alemanha também está entre os dez primeiros, em sexto lugar. O fato de a Alemanha estar tão à frente se deve em parte à popularidade do hobby. Por outro lado, a utilização do peixe capturado é obrigatória na Alemanha. Isto significa que muitos pescadores também pescam para consumir o peixe que eles próprios pescam”, explica Robert Arlinghaus.

Peixes semelhantes à truta, como a truta marrom, o salmão e o salmão, bem como a perca, o zander e o lúcio, são populares entre os pescadores de todo o mundo. Na Europa e especialmente na Alemanha, as carpas e outros peixes semelhantes à carpa (ciprinídeos), as enguias e os bagres também são peixes comestíveis populares. Na Alemanha, a truta e a carpa dominam o rendimento da pesca em proporções aproximadamente iguais. No entanto, poleiros como o zander também são populares para comer.

Contribuição do peixe autocapturado para uma dieta saudável

A importância da pesca recreativa para a autossuficiência em nutrientes importantes também foi investigada. Um fator importante é a vitamina B12, um micronutriente essencial abundante nos peixes e importante para a saúde humana, inclusive para os ossos, a formação de glóbulos vermelhos e a função nervosa. “Os benefícios nutricionais e fisiológicos do peixe capturado dependem muito do tipo de peixe e da quantidade capturada, que levamos em consideração nos nossos cálculos”, afirma Robert Arlinghaus, categorizando os resultados. Em geral, a contribuição nutricional do peixe capturado em casa para o consumo social total de peixe é particularmente elevada na Áustria, Bielorrússia, Argentina, Bélgica e Polónia. No caso da vitamina B12, os pescadores do Canadá e do Bangladesh foram os principais beneficiários, uma vez que estas pessoas não obtêm vitamina B12 suficiente de outros peixes e mariscos.

O valor total do peixe colhido para o consumidor é de cerca de 10 mil milhões de dólares por ano

Os investigadores também determinaram o valor total para o consumidor do peixe de água doce capturado através da pesca recreativa com base em ofertas comparáveis ​​a preços de mercado locais. Isso totalizou 9,95 bilhões de dólares americanos por ano em todo o mundo. Canadá (2,74 mil milhões de dólares americanos), China (2,57 mil milhões de dólares americanos) e Estados Unidos (2,38 mil milhões de dólares americanos) estavam no topo da lista. Em sete outros países, incluindo a Alemanha, o valor de mercado do peixe capturado era superior a 100 milhões de dólares americanos por ano. Isto confirma os nossos estudos anteriores para a Alemanha, segundo os quais a pesca recreativa é um factor económico importante neste país. No entanto, o significado social, económico e psicológico da pesca à linha vai muito além do valor de mercado. Na Alemanha, mais de 50 mil empregos são sustentados pela pesca”, afirma Robert Arlinghaus.

A pesca recreativa está ameaçada pelas alterações climáticas nestes países

A pesca recreativa também enfrenta os desafios das alterações climáticas: dependendo das espécies de peixes e das condições climáticas, o sucesso da adaptação irá variar. Os investigadores identificaram a Islândia, a Nova Zelândia, a Dinamarca e o Quénia como os países com maior sensibilidade climática das espécies de peixes consumidas na pesca recreativa. Se tivermos também em conta os países onde os pescadores consomem quantidades particularmente elevadas de peixe, torna-se claro que, além do Canadá, alguns países europeus, incluindo a Alemanha, estão entre os países mais vulneráveis. Além das alterações climáticas, outras alterações ambientais, como o desenvolvimento e a construção de cursos de água, também têm um impacto negativo na produção de peixe.

A gestão das águas interiores também deve levar em conta os aspectos nutricionais

O aspecto nutricional da pesca recreativa deveria ser mais fortemente integrado na gestão das águas interiores. O clima, o uso dos solos petrolíferos, o uso da água, a fragmentação das bacias hidrográficas e outras influências em grande escala estão a alterar a usabilidade e a qualidade da pesca recreativa. As consequências do declínio das unidades populacionais de peixes e o seu impacto na nutrição devem ser tidos em conta nas decisões de gestão da água, porque mesmo o peixe capturado é um dos alimentos de origem animal mais sustentáveis ​​de todos», conclui Robert Arlinghaus.

A equipe de autores ressalta que são necessários mais dados para reduzir as incertezas nas estimativas globais apresentadas e para investigar mais correlações. Os exemplos incluem possíveis efeitos negativos para a saúde decorrentes do consumo de peixe, tais como o risco de ingestão de substâncias nocivas provenientes de peixes capturados por seres humanos.

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button