News

O que vem a seguir para a Boeing depois que os EUA dizem que fabricante de aviões pode ser processado

O que vem a seguir para a Boeing depois que os EUA dizem que fabricante de aviões pode ser processado

Nova Iorque:

O Departamento de Justiça disse que a Boeing pode ser processada por violar um acordo criminal de 2021 sobre a certificação do 737 MAX.

A determinação do DOJ, apresentada no tribunal dos EUA no Texas na terça-feira, ocorre na sequência de um voo quase catastrófico da Alaska Airlines em janeiro, que fez um pouso de emergência depois que um painel da fuselagem explodiu.

Autoridades dos EUA deram à Boeing até 13 de junho para responder com informações que os Estados Unidos “considerarão ao determinar se devem prosseguir com o processo (da Boeing)”.

Qual foi o acordo de 2021?

Em janeiro de 2021, o Departamento de Justiça anunciou um acordo de acusação diferida (DPA) no qual a Boeing concordou em pagar US$ 2,5 bilhões para resolver acusações de fraude na certificação do 737 MAX, que sofreu dois acidentes fatais em 2018 e 2019 que, juntos, ceifaram 346 vidas.

Além das sanções financeiras, o acordo exigia que a Boeing reforçasse o seu programa de conformidade, reunisse regularmente com autoridades antifraude dos EUA e apresentasse relatórios anuais documentando o seu progresso.

O acordo, anunciado em 7 de janeiro de 2021, nos últimos dias da administração de Donald Trump, foi concebido para expirar após três anos se a Boeing cumprisse os seus requisitos.

O que o DOJ concluiu?

A carta do DOJ ao juiz americano Reed O'Connor disse que a agência determinou que a Boeing “violou suas obrigações” sob o DPA, citando uma série de disposições do acordo.

Estas incluíram medidas que exigiam que a Boeing implementasse um programa de conformidade e ética, reforçasse os seus controlos internos “para detectar e impedir eficazmente violações das leis antifraude dos EUA” e proibisse a Boeing de fornecer informações “deliberadamente falsas, incompletas ou enganosas” sobre a sua conformidade.

Outras disposições exigem que os líderes da Boeing modelem um comportamento excelente apoiando a conformidade como parte da criação e promoção de “uma cultura de ética”.

Isso é resultado do problema da Alaska Airlines?

A carta do DOJ não mencionou o incidente da Alaska Airlines, que estimulou “múltiplas investigações governamentais e regulatórias”, de acordo com um documento de valores mobiliários da Boeing.

O incidente da Alaska Airlines segue-se a inúmeras outras revelações pouco lisonjeiras sobre problemas de fabricação da Boeing e reclamações de denunciantes, aumentando o escrutínio da empresa.

A FAA abriu em janeiro uma investigação após o episódio da Alaska Airlines sobre se os jatos entregues pela Boeing “estavam em condições de operação segura”.

A FAA deu em 28 de fevereiro à Boeing 90 dias para desenvolver “um plano de ação abrangente para resolver seus problemas sistêmicos de controle de qualidade para atender aos padrões de segurança não negociáveis ​​da FAA”.

Que punições a Boeing enfrenta?

Os familiares das vítimas do 737 MAX, que consideraram o acordo de 2021 um mero tapa na cara, pediram o processo contra a Boeing e altos funcionários, bem como a nomeação de um monitor independente.

O DOJ deve coletar contribuições das vítimas em uma reunião em 31 de maio.

O professor da Faculdade de Direito de Columbia, John Coffee, disse que soluções simples para o DOJ poderiam incluir a extensão do DPA e a nomeação de um monitor com amplas capacidades de supervisão, mas considera improvável o processo contra executivos seniores.

Como a ação do DOJ afeta a crise na Boeing?

A ação do DOJ aumenta a pressão sobre a Boeing, que relatou uma série de perdas financeiras e desacelerou significativamente a entrega de novos jatos enquanto aborda questões de controle de qualidade.

O senador Richard Blumenthal, um democrata de Connecticut, disse que a DPA não abordou a “cultura corporativa podre” da Boeing porque não responsabilizou “ninguém”, acrescentando que espera ouvir os líderes da Boeing em uma audiência.

Blumenthal e outros legisladores críticos da Boeing caracterizaram o sucesso da empresa como essencial, aludindo às prioridades económicas e de segurança nacional.

Coffee citou uma justificativa “econômica” para não processar criminalmente a Boeing.

“A empresa está gravemente ferida e um julgamento criminal receberia atenção considerável, causando danos econômicos ainda maiores e possivelmente alimentando uma reação negativa dos passageiros do varejo”, disse Coffee por e-mail.

“As transportadoras aéreas ficariam com medo de um mundo em que a Boeing se tornasse relativamente insignificante, deixando a Airbus com o monopólio e cobrando previsivelmente preços mais altos”.

(Exceto a manchete, esta história não foi editada pela equipe da NDTV e é publicada a partir de um feed distribuído.)

Source

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button