News

A mídia estatal russa diz que soldado americano preso se declarou culpado

Sargento da equipe. Gordon Pretoum soldado norte-americano preso na cidade russa de Vladivostok, declarou-se culpado das acusações de roubo e está cooperando com os investigadores do caso, informaram os meios de comunicação estatais da Rússia na quinta-feira.

“Ele está cooperando, admitiu [guilt]”, disse a agência de notícias RIA citando um representante do Ministério do Interior local.

A CBS News não conseguiu obter os dados de contato dos advogados que representam os negros na Rússia e não foi possível verificar as informações divulgadas pela mídia estatal russa.

Gordon Black, um soldado americano detido na Rússia, posa para uma selfie em uma foto de arquivo obtida nas redes sociais.
Gordon Black, um soldado americano detido na Rússia, posa para uma selfie em uma foto de arquivo obtida nas redes sociais.

Gordon Black via Facebook via Reuters


Black foi detido em Vladivostok em 2 de maio e acusado de roubar uma mulher com quem mantinha um relacionamento. Um tribunal ordenou que ele permanecesse sob custódia até pelo menos 2 de julho.

Black estava estacionado na Coréia, disseram autoridades do Pentágono à CBS News, e estava em processo de mudança de posto de serviço para Fort Cavazos, anteriormente conhecido como Forte Hoodnos EUA, quando foi à Rússia em viagem não oficial.

A mãe do soldado, Melody Jones, disse que ele estava na Rússia visitando a namorada.

“Por favor, não o torture [or] machucá-lo”, disse Jones quando questionada sobre sua mensagem aos russos.

O porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, John Kirby, disse aos repórteres no início deste mês que os EUA estavam “cientes deste caso”, mas disse que não poderia “falar muito sobre isso neste momento”.

O governo dos EUA alertou repetidamente os americanos para não viajarem para a Rússia, citando “o potencial de assédio e a seleção de cidadãos dos EUA para detenção por funcionários de segurança do governo russo” e outros fatores.


Paul Whelan, preso na Rússia, faz apelo a Biden: “Ele é o homem que pode me trazer para casa”

02:12

A administração Biden tem trabalhado para garantir a libertação de outros dois americanos que considera detidos injustamente na Rússia. Paulo Whelan, um ex-fuzileiro naval, está preso desde 2018 sob acusações de espionagem, que os EUA e a sua família insistem serem totalmente infundadas. Ele foi condenado a 16 anos de prisão em 2020.

Repórter do Wall Street Journal Evan Gershkovich foi preso em março de 2023, também sob acusações de espionagem negadas por sua família, pelo jornal e pelo governo dos EUA. Ele ainda está aguardando julgamento.

O Departamento de Estado disse em dezembro que a Rússia tinha rejeitou uma proposta “significativa” para a libertação de ambos os homens.


Amigo de Evan Gershkovich discute esforço para levá-lo para casa

04:34

Um atualizado conselhos de viagem publicado em setembro, observou que a Embaixada dos EUA em Moscou tinha “capacidade limitada para ajudar os cidadãos dos EUA na Rússia”.

Separadamente, um cidadão dos EUA identificado pelas autoridades russas como Nikum William Russell foi condenado a 10 dias de prisão frase para “vandalismo mesquinho” depois que um tribunal disse que ele entrou bêbado em uma biblioteca infantil em Moscou e desmaiou seminu.

Camilla Schick e Arden Farhi contribuíram para este relatório.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button