News

5 soldados israelenses mortos em Gaza por disparos de tanques do seu próprio exército

As Forças de Defesa de Israel disseram que cinco de seus soldados, todos entre 20 e 22 anos, foram mortos por Incêndio de tanque israelense no norte de Gaza na noite de quarta-feira. Uma investigação interna inicial descobriu que dois tanques dispararam contra um edifício no campo de refugiados de Jabalia, onde os soldados se tinham reunido. O prédio estava sendo usado pelo vice-comandante do batalhão, de acordo com um comunicado das IDF.

“Parece que os caças-tanque, da empresa de paraquedistas ultraortodoxa ‘Hatz’, identificaram o cano de uma arma saindo de uma das janelas do prédio e se dirigiram para atirar no prédio”, afirmou o comunicado da IDF. disse.

“Este é um incidente muito difícil, o ambiente de trabalho está sob estresse operacional muito complexo e em uma área muito lotada”, disse o porta-voz da IDF, Daniel Hagari, na quinta-feira. “Estamos no meio da investigação, vamos aprender as lições. Manter a segurança das nossas forças é uma tarefa central”.

O incidente ocorreu quando o ministro da Defesa israelense, Yoav Gallant, após uma avaliação da situação na fronteira de Gaza, em Rafah, disse que mais tropas israelenses entrariam em Gaza.

“Vários túneis na área foram destruídos pelas nossas tropas e túneis adicionais serão destruídos em breve”, disse Gallant na quarta-feira. “Esta actividade irá intensificar-se – o Hamas não é uma organização que se possa reorganizar, não tem tropas de reserva, não tem reservas de abastecimento e não tem capacidade para tratar os terroristas que visamos. O resultado é que estamos a desgastar o Hamas.”

Chefe da defesa israelense pede plano “day after” em Gaza

À medida que as operações das FDI continuavam, Gallant desafiou publicamente o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, esta semana sobre seus planos pós-guerra para a Faixa de Gaza.

Além da acção militar, Gallant disse numa declaração televisiva que “o estabelecimento de uma alternativa de governo em Gaza” na sequência de quase 20 anos de domínio do Hamas também foi crucial para o objectivo declarado de Israel de desmantelar o grupo. “Na ausência de tal alternativa, restam apenas duas opções negativas: o domínio do Hamas em Gaza ou o domínio militar israelita em Gaza.”

Gallant disse que se oporia ao último cenário e instou Netanyahu a descartá-lo formalmente.

Ele disse que vinha tentando promover um plano para criar uma “alternativa de governo palestino não hostil” ao Hamas desde outubro, mas que não recebeu resposta do gabinete israelense.

Gallant já havia sugerido que a Autoridade Palestina (AP), que administra a Cisjordânia ocupada por Israel, poderia ter um papel no governo de Gaza após a guerra. Netanyahu rejeitou essa sugestão, também apresentada pelos Estados Unidos, tal como vários membros da AP.

Na terça-feira, o porta-voz das FDI, Daniel Hagari, foi questionado se a falta de uma estratégia pós-guerra para Gaza estava dificultando as operações militares lá.

“Não há dúvida de que uma alternativa ao Hamas geraria pressão sobre o Hamas, mas isso é uma questão para o escalão governamental”, disse ele.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button