News

Roubando terras em nome de Deus

O que uma declaração de um papa do século XV tem a ver com a política fundiária dos EUA hoje?

Nesta conversa, Amanda Henderson e Steven Newcomb aprofundam-se na forma como os documentos fundadores dos EUA contêm uma reivindicação de um direito ordenado por Deus para os cristãos tomarem terras aos não-cristãos, o que continua a ser usado como precedente legal no mundo de hoje. Juntos, eles defendem uma abordagem mais inclusiva e holística à mudança social e política, que reconheça e respeite as perspectivas e a soberania indígenas.

CONVIDADO:

  • Steve Newcomb é um estudioso e autor de Shawnee-Lenape. Ele tem estudado e escrito sobre a legislação e política federal indígena dos EUA desde o início da década de 1980, particularmente a aplicação do direito internacional às nações e povos indígenas. Steven é diretor do Instituto de Direito Indígena, que foi cofundador com Birgil Kills Straight, um chefe tradicional e ancião da nação Oglala Lakota. Juntos, eles levaram a cabo uma campanha global desafiando os documentos imperiais do Vaticano do século XV. Esses documentos resultaram na dizimação das Nações Originais e dos Povos da Mãe Terra e, assim, privaram o planeta de modos de vida, ecossistemas sustentáveis ​​e ensinamentos sagrados. O livro de Steven “Pagãos na Terra Prometida: Decodificando a Doutrina da Descoberta Cristã (2008) baseia-se em descobertas recentes na teoria cognitiva e numa análise semântica das versões latina e inglesa de documentos do Vaticano do século XV. Ele identificou os padrões pouco notados encontrados nesses documentos e numa decisão do Supremo Tribunal dos EUA, que reivindicava o direito de um “príncipe ou povo cristão” descobrir e exercer um direito de dominação (dominorum Christianorum) sobre as terras dos “pagãos e infiéis.”

Para mais episódios e informações visite Complexificado na RNS.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button