News

Palestinos marcam 76º "Nakba" enquanto uma nova catástrofe se desenrola ao seu redor

Ramalá, Cisjordânia — Para os palestinos, quarta-feira marca a “Nakba”. A palavra significa catástrofe, e a data marca o deslocamento em massa, em 1948, de mais de 700 mil palestinos, após a formação do moderno Estado de Israel.

Já se passaram 76 anos desde que isso aconteceu, mas este ano, os palestinos também comemoram o que alguns chamam de uma segunda Nakba – a atual guerra na Faixa de Gazaque foi talvez o capítulo mais horrível e mais sangrento da história do povo palestiniano.

Desde que os governantes do Hamas em Gaza desencadearam a guerra com os ataques terroristas de 7 de Outubro contra Israel, mais de 35.000 Palestinos foram mortos pela ofensiva retaliatória de Israel no território, de acordo com o seu ministério da saúde. As Nações Unidas estimativas que pelo menos 1,7 milhões de pessoas — mais de metade da população de Gaza — foram deslocadas das suas casas desde o início da guerra.


Palestinos fogem de Rafah enquanto Israel aumenta a presença de tropas

04:51

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, tem sido inflexível desde 7 de outubro de que a única maneira de responder ao massacre de cerca de 1.200 pessoas pelo Hamas é destruir o grupo, e ele prometeu realizar uma ofensiva terrestre em Rafah, a última cidade de Gaza até agora. poupou um ataque total.

Israel afirma que ainda existem quatro batalhões do Hamas no local, mas há também centenas de milhares de civis que procuraram refúgio na cidade do sul durante sete meses de guerra, e os EUA e outros aliados israelitas alertaram contra uma invasão terrestre em grande escala.

Grande parte do resto de Gaza já foi deixada em ruínas pelo poder de fogo esmagador de Israel – grande parte dele fornecido pelos EUA, e com muito mais está a caminho breve.

O menino palestino Mohammed Imad, ferido em um incêndio israelense, é cuidado por sua mãe enquanto está deitado em uma cama no hospital Al-Aqsa, em Deir Al-Balah, no centro da Faixa de Gaza
O palestino Mohammed Imad, ferido por fogo israelense, é cuidado por sua mãe deitado em uma cama no Hospital Al-Aqsa em Deir Al-Balah, no centro da Faixa de Gaza, em 14 de maio de 2024.

Ramadã Abed/REUTERS


Para o povo palestiniano, já se tratou de uma crise numa escala muito maior do que a violência e a deslocação de há 76 anos, e com a perspectiva de uma incursão em Rafah iminente, milhares de pessoas fugiram com medo por suas vidas novamente.

Na terça-feira, os israelenses comemoraram o Dia da Independência. Normalmente um momento de celebração, as comemorações deste ano foram em grande parte sombrias, enquanto os israelitas continuam a apelar aos seus líderes para que cheguem a um acordo para libertar os cerca de 100 reféns que se acredita ainda estarem vivos e detidos pelo Hamas ou outros grupos em Gaza.

Tucker Reals da CBS News contribuiu para este relatório.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button