News

OTAN alerta que projeto de lei de ‘agentes estrangeiros’ da Geórgia é ‘um passo na direção errada’

Os protestos deverão continuar à medida que as nações ocidentais instam as autoridades georgianas a não adoptarem medidas “ao estilo do Kremlin”.

A NATO alertou a Geórgia que a sua aprovação de nova legislação controversa que classifica as ONG financiadas no estrangeiro como “agentes estrangeiros” era um “passo na direcção errada”.

Foi também um movimento “para longe da integração europeia e euro-atlântica”, disse na quarta-feira a aliança militar à qual a Geórgia aspira um dia aderir, um dia depois de os Estados Unidos terem alertado que a lei “ao estilo do Kremlin” o forçaria a reavaliar laços com o país.

Espera-se que dezenas de milhares de manifestantes, que se manifestam nas ruas da capital, Tbilisi, há semanas, se manifestem contra o projeto de lei em frente ao parlamento ainda nesta quarta-feira.

“Pedimos à Geórgia que mude de rumo e respeite o direito ao protesto pacífico”, disse a porta-voz da NATO, Farah Dakhlallah.

protestos
Manifestantes bloqueiam uma rua durante uma manifestação contra o polêmico projeto de lei de “influência estrangeira” em Tbilisi [File: Giorgi Arjevanidze/AFP]

A União Europeia instou a Geórgia a retirar a legislação, que disse que iria atrasar as ambições do país de aderir ao bloco de 27 nações.

“A adoção desta lei tem um impacto negativo no progresso da Geórgia no caminho da UE”, afirmou um comunicado do chefe da política externa da UE, Josep Borrell, e do comissário do alargamento, Oliver Varhelyi.

“A escolha do caminho a seguir está nas mãos da Geórgia. Instamos as autoridades georgianas a retirarem a lei”, afirmaram.

O secretário de Estado adjunto dos EUA, James O'Brien, que visitou Tbilisi na terça-feira, disse que Washington poderia impor restrições financeiras e de viagens, a menos que o projeto de lei sofresse alterações ou se as forças de segurança interrompessem à força os protestos, como ocorreu nas últimas semanas.

'Lei russa'

A lei exige que os meios de comunicação social, as organizações não governamentais (ONG) e outros grupos sem fins lucrativos se registem como “que defendem os interesses de uma potência estrangeira” se receberem mais de 20 por cento do seu financiamento do estrangeiro.

Foi apelidada de “a lei russa” pelos opositores, que a comparam com a legislação utilizada pelo Kremlin na última década para reprimir os seus opositores.

O partido governante Georgian Dream afirma que é necessário promover a transparência, combater os “valores pseudo-liberais” promovidos por estrangeiros e preservar a soberania do país.

Uma mulher segura bandeiras de um cidadão georgiano e da UE em frente à tropa de choque que bloqueia uma rua
Uma mulher segura bandeiras nacionais da Geórgia e da UE em frente à tropa de choque que bloqueia uma rua em Tbilisi [File: Zurab Tsertsvadze/AP]

A Presidente Salome Zourabichvili, que está cada vez mais em desacordo com o partido do governo, prometeu vetar o projecto de lei, mas o Georgian Dream tem maioria suficiente para o anular. Zourabichvili tem 14 dias para agir.

Na terça-feira, ela reuniu-se com os ministros dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, Estónia, Letónia e Islândia que visitaram Tbilisi em conexão com a controversa legislação.

“Conversamos sobre quais são os próximos passos. Expliquei muito claramente aos representantes dos países amigos que, com o meu veto, não entraria em circunstância alguma em negociações falsas, artificiais e enganosas. Não e nunca!” ela disse após a reunião.

“Não vou trair o espírito que hoje existe neste país e precisa abrir um caminho. Eu serei o abridor deste caminho. Esta mensagem será transmitida pelos nossos amigos em todo o mundo para que ninguém pense que pode usar o Presidente da Geórgia para salvar a imagem deste governo”, disse Zourabichvili.

“Hoje, não é esta questão que está na agenda, a sobrevivência da Geórgia está na agenda”, acrescentou ela.

Gabrielius Landsbergis, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia, disse que o governo georgiano estava a virar as costas à direcção europeia e por isso era importante mostrar apoio à sociedade pró-ocidental da Geórgia e ao seu presidente.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button