News

Blinken visita a Ucrânia para oferecer garantias enquanto a Rússia conquista novos terrenos

Kyiv, Ucrânia – O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse na terça-feira que a ajuda militar americana a caminho Ucrânia fará uma “verdadeira diferença” no campo de batalha, já que o principal diplomata fez uma visita não anunciada para tranquilizar um aliado que enfrenta um feroz nova ofensiva russa. Nos últimos dias, em ataques cada vez mais intensos ao longo da fronteira nordeste da Ucrânia, as tropas de Moscovo capturaram cerca de 40 a 80 quilómetros quadrados de território, incluindo pelo menos sete aldeias, de acordo com analistas de monitorização de código aberto.

Embora a maioria dessas aldeias já estivesse despovoada, milhares de civis na área fugiram os combates, e os analistas consideram-no um dos momentos mais perigosos para a Ucrânia desde que a Rússia lançou a sua invasão em grande escala em Fevereiro de 2022.

O presidente Volodymyr Zelenskyy renovou seu pedido de longa data, mas possivelmente mais urgente, de mais sistemas de defesa aérea para proteger os civis sob fogo russo no nordeste, ao se encontrar com Blinken na terça-feira.

Secretário de Estado dos EUA, Blinken, visita Kyiv
O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, na Praça da Independência, em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia, durante uma visita não anunciada, em Kiev, Ucrânia, em 14 de maio de 2024.

Alina Smutko/Reuters


“Sabemos que este é um momento desafiador”, disse Blinken na capital ucraniana, onde se encontrou com Zelenskyy. Mas acrescentou que a ajuda militar americana “vai fazer uma diferença real contra a agressão russa em curso no campo de batalha”.

Ele defendeu o caso mesmo quando Zelenskyy apelou pessoalmente a ele por mais sistemas de defesa aérea para proteger os civis sob intenso fogo russo no nordeste. Blinken também criticou o presidente russo, Vladimir Putin, por subestimar a determinação da Ucrânia em reagir.

“Reunimo-nos num momento crítico”, disse ele aos estudantes do Instituto Politécnico de Kiev. “As próximas semanas e meses exigirão muito dos ucranianos, que já sacrificaram tanto. Vim para a Ucrânia com uma mensagem: vocês não estão sozinhos.”

“Às vezes ouvimos que o tempo está do lado de Putin”, disse Blinken. “Que a população maior da Rússia, a disposição de Putin de jogar mais russos no moedor de carne que ele criou e de investir mais recursos da Rússia na tentativa de subjugar a Ucrânia significam que a Rússia não pode perder.”

Blinken também abordou a nova legislação ucraniana que endureceu as penas para quem se esquiva do recrutamento e reduziu a idade do serviço militar obrigatório. Ele considerou isso difícil, mas “necessário”, acrescentando: “Os defensores que corajosamente mantiveram a linha por mais de dois anos precisam de ajuda – e precisam de descanso”, informou a AFP.


Zelenskyy da Ucrânia alerta sobre riscos para os EUA se Putin não parar

34:00

A visita ocorre menos de um mês depois que o Congresso aprovou uma pacote de assistência externa há muito adiado que reserva 60 mil milhões de dólares em ajuda à Ucrânia, muitos dos quais serão destinados à reposição de sistemas de artilharia e de defesa aérea bastante esgotados.

Parte disso “está a caminho”, disse Blinken, e parte já chegou à Ucrânia.

A ofensiva renovada de Moscovo na região nordeste de Kharkiv é a incursão fronteiriça mais significativa desde os primeiros dias da guerra – e ocorre depois de meses em que a linha da frente de cerca de 600 milhas mal se mexeu. Contudo, não foi inesperado.

Zelenskyy disse a Charlie D'Agata, da CBS News, no final de março, enquanto seu país esperava que os políticos dos EUA liberassem o pacote de ajuda, que embora suas tropas tivessem conseguido manter os russos em grande parte afastados até aquele ponto, eles não estavam preparados para se defender contra outra grande ofensiva russa, que ele disse ser esperada nos próximos meses.

O líder ucraniano avisou na entrevista que se os parceiros ocidentais do seu país não conseguissem ajudar a impedir a invasão da Rússia, “esta agressão, e o exército de Putin, podem chegar à Europa, e então os cidadãos dos Estados Unidos, os soldados dos Estados Unidos, terão de proteger a Europa, porque eles somos os membros da OTAN.”

Mais de 7.500 civis foram evacuados da área, segundo as autoridades. As forças do Kremlin também estão a expandir o seu avanço para as regiões fronteiriças do norte de Sumy e Chernihiv, dizem as autoridades ucranianas, e os soldados de Kiev, desarmados e em menor número, estão a lutar para contê-las.

As tropas lutaram de rua em rua nos arredores de Vovchansk, que está entre as maiores cidades da área de Kharkiv, disse o governador regional Oleh Syniehubov em rede nacional. Dois civis foram mortos em bombardeios russos na terça-feira, disse ele.

O escritório de direitos humanos da ONU disse que as batalhas estão cobrando um pesado preço.

“Estamos profundamente preocupados com a situação dos civis na Ucrânia”, disse Liz Throssell, porta-voz do gabinete do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, em Genebra. “Na região de Kharkiv, a situação é terrível.”

Voluntário auxilia um casal de idosos de Vovchansk durante sua evacuação para Kharkiv devido ao bombardeio russo perto da fronteira na região de Kharkiv
Um voluntário auxilia um casal de idosos de Vovchansk durante sua evacuação para Kharkiv devido a ataques militares russos, perto da cidade de Vovchansk, na linha de frente, na região nordeste de Kharkiv, na Ucrânia, em 14 de maio de 2024.

Valentyn Ogirenko/REUTERS


Zelenskyy agradeceu a Blinken pela ajuda dos EUA – mas acrescentou que é necessário mais, incluindo dois sistemas de defesa aérea Patriot que são urgentemente necessários para proteger Kharkiv.

“As pessoas estão sob ataque: civis, guerreiros, todos. Estão sob mísseis russos”, disse ele.

Artilharia, interceptadores de defesa aérea e mísseis balísticos de longo alcance já foram entregues, alguns deles já nas linhas de frente, disse um alto funcionário dos EUA que viajava com o secretário em um trem noturno vindo da Polônia e que falou aos repórteres sob condição de anonimato antes da Reuniões de Blinken.

Antes da viagem, as autoridades norte-americanas observaram que desde que o presidente Biden assinou o pacote de ajuda no final do mês passado, a administração já anunciou 1,4 mil milhões de dólares em assistência militar de curto prazo e 6 mil milhões de dólares em apoio a longo prazo.

A administração está “tentando realmente acelerar o ritmo” dos envios de armas dos EUA, disse o conselheiro de segurança nacional Jake Sullivan.

Mas os atrasos na assistência dos EUA, especialmente desde a Guerra Israel-Hamas começou e preocupou altos funcionários da administração, provocou profunda preocupação em Kiev e na Europa. Blinken, por exemplo, visitou o Médio Oriente sete vezes desde o início do conflito em Gaza, em Outubro. A sua última viagem a Kiev foi em setembro.

Na sua quarta viagem a Kiev desde que as tropas russas cruzaram a fronteira, Blinken enfatizou o apoio dos Estados Unidos à independência e eventual recuperação da Ucrânia, segundo o porta-voz Matthew Miller. O diplomata dos EUA e o presidente ucraniano também discutiram disposições de segurança a longo prazo e o bem-estar económico da Ucrânia.

O discurso de Blinken na terça-feira pretendia complementar o seu discurso do ano passado em Helsínquia, na Finlândia, ridicularizando Putin pelos fracassos estratégicos de Moscovo no lançamento da guerra.


Como o vencedor das eleições de 2024 pode moldar as crises internacionais

05:20

Contudo, desde o discurso de Helsínquia, a Rússia intensificou os seus ataques, sobretudo quando a Câmara dos Representantes dos EUA permaneceu sentada durante meses sem acção sobre o pacote de ajuda, forçando uma suspensão na prestação da maior parte da assistência dos EUA. Esses ataques aumentaram nas últimas semanas, à medida que a Rússia procurava tirar partido da escassez ucraniana de mão-de-obra e armas enquanto a nova assistência estava em trânsito.

Enquanto isso, o presidente russo, Vladimir Putin, planeja fazer uma visita de Estado de dois dias à China esta semana, disse o Ministério das Relações Exteriores da China. Pequim apoiou politicamente Moscovo na guerra e enviou máquinas-ferramentas, electrónica e outros artigos considerados como contribuindo para o esforço de guerra russo, sem realmente exportar armamento.

“Uma Ucrânia forte, bem-sucedida, próspera e livre é a melhor repreensão possível a Putin e a melhor garantia possível para o seu futuro”, disse Blinken a Zelenskyy em Kiev.

O alto funcionário dos EUA disse que, apesar de alguns reveses recentes, a Ucrânia ainda pode reivindicar vitórias significativas. Estas incluem a recuperação de cerca de 50% do território que as forças russas ocuparam nos primeiros meses da guerra, o reforço da sua posição económica e a melhoria dos transportes e das ligações comerciais, nomeadamente através de sucessos militares no Mar Negro.

O responsável reconheceu que a Ucrânia enfrenta “uma luta dura” e está “sob tremenda pressão”, mas argumentou que os ucranianos “se tornarão cada vez mais confiantes” à medida que a nova ajuda dos EUA e de outros países ocidentais começar a chegar.

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button